9.11.11

chorei uma noite a fio.

Há dias assim, e quem não os tem que me conte o seu segredo. Venho, deste modo, dizer que tive uma noite assim, como já há muito não tinha. E podem-me dizer que não há quaisquer motivos para isso acontecer, que só eu sei o que vai dentro de mim neste momento. De qualquer maneira não estou aqui para falar sobre o que sinto, mas sim para vos dizer o que fiz. Deitei-me, cansada do meu longo dia, cansada dos meus pensamentos, cansada de viver um pouco, encostei a cabeça na almofada e por momentos senti aquele nó na garganta, sabem? É verdade. Desta vez o nó era maior, era apertado de tal maneira que pensei não conseguir respirar. Sentia uma enorme vontade de chorar, e senti-me extremamente sozinha, porque na verdade eu gostaria imenso de ter alguém comigo, a passar-me a mão na cabeça, a dizer-me que tudo vai passar e que o sol vai brilhar novamente na minha vida. Mas Novembro já chegou, e o sol tão cedo não brilhará por estes lados. Senti frio, e dez minutos se haviam passado quando, por fim, chorei, e chorei a noite toda até adormecer. Os meus olhos vermelhos, inchados, e a alma limpa. Hoje queria chorar, mas lembrei-me que esgotei as lágrimas a noite passada, então o melhor a fazer é pegar numa caneca de leite quente, encosta-la aos lábios já secos, e acalmar o coração.

2 comentários:

jessica disse...

adorei :)
deixas-te-me sem palavras
como eu te compreendo :)

patrícia cardoso disse...

oh meu deus está tão perfeito, adorei :3